Loading...

E "prontos"!

Fiz birra e também criei um blog.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Tédio

Tédio, muito tédio, muito, muito, muito, muito................. TÉDIO

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Sexta Feira

Ai que bom e tal é sexta-feira... E eu sem um tostão... Que belo fim-de-semana que vou ter com um calor de abrasar e eu fechada em casa a ver filmes ou a passear nos parques com as Criaturinhas. QUANDO ME APETECIA ERA UM FIM DE SEMANA DE ARROMBA, SAIR HOJE, BEBER UNS GINS E UMAS MARGUERITAS E DANÇAR E ACABAR NA PRAIA A VER O NASCER DO SOL COM UMA TOSGA DO CARAÇAS E DEPOIS ENTÃO PASSAR O SÁBADO A DORMIR. BAHHHHHHHHH!!!!!!!!! Que bom é sexta-feira!!!!!!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Estou de volta

Não diáriamente, porque a Tita toma bem conta do estaminé, mas de vez em quando de quando em vez, cdá estarei a escrever qualquer coisita.
Sou um bocado mais chata do que a Tita, tenho muitos dias pouco optimistas, mas que se lixe!!!!!
Apesar deste blogue ter sido feito a pensar na Tita e nas suas várias vidas, a dona do blogue sou eu por isso...
Eh!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Não me apetece

Não me apetece estar aqui, mas também não me apetece estar em lado nenhum.
Não me apetece NADA!
Se eu pudesse dormia o dia todo para que amanhã chegue rápido e me voltem os apetites.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Está na hora

"De embalar a trouxa e zarpar".
Sim porque esta escrava que trabalha das 9:30 (para mim madrugada) até às 19:00 com um mísero intervalo de hora e meia para almoço, como nunca tira férias em Agosto e fica aqui no escritório praticamente abandonada sem ninguém com quem falar, tem a benesse dada pelo Grande Chefe de "durante o mês de Agosto se tiver tudo despachado saia às seis, seis e um quarto"
E eu não me faço rogada, ai isso é que não!

"As férias com a minha mãe"

A minha filha entregou-me ontem esta "redacção" que fez para mim. Trancrevi-a exactamente como ela escreveu, incluindo os erros, a única alteração que fiz foi colocar apenas a inicial do meu companheiro.
É por estas coisas que vale a pena ser mãe:
"Este ano as férias que passei com a mãe foram as melhores do mundo.
Nos outros anos a mãe passa uma semana nalgum sitio comigo e agora com o mano e com o H..., e uma semana só com o H... - diz que lhe faz falta estar sem nós uns dias. Eu fico tristr mas percebo.
Este ano o a mãe e o H... não tiveram férias ao mesmo tempo e, por causa destas coisas todas que se passam agora, a crise ou lá o que é, não teve dinheiro para ir para o Algarve ou assim.
Mas foram as melhores férias que pasei com ela.
Na primeira semana eu fiquei no ATL e o mano na ama proque a mãe estava cansada e precisava de descansar mas nas segunda e na tercerira foi tão bom.
Ela disse a brincar: vamos ter umas férias à "Zé do bairro" mas prometo que vão ser boas.
Eu não percebi mas foram boas.
Todos os dias faziamos sandes e arranjavamos o lanche apanhávamos o autocarro e iamos para a praia - a fonte da teilha. A mãe estava feliz. ia para a agua conosco não reclamou com a areia e como ela quando era mais nova fez muit ginastica fez cambalhotas na praia e o pino e a ponte e eu fiquei toda orgulhosa porque devo ser a unica das minhas amigas que tem uma mae que ainda consegue fazer isto.
Quando não iamos á praia iamos comer porcarias (como ela diz) - hamburgueres pizas, etc e fomos passear para os parques até jogou a bola conocso.
A noite chegava o H... jantavamos juntos, mas depois ela dizia estas férias são para os meus filhos e, como estava muito calor iamos beber café com as amigas dela que tem filhos que também são meus amigos e iamos ou a feira ou aos parques.
Ah! e fomos um dia inteirinho para troia de comboio e de barco.
Adorei!
Adorei estas férias com a mãe e adoro-a ainda mais do que antes."

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Tu sabes

Tenho fome de ti!
Mas o que me dás já não me alimenta, já não me acalma a avidez e a sofreguidão que sinto.
Tenho fome do alimento que já soubeste dar-me...
Agora vou guardar esta fome num canto qualquer do meu ser e esquecê-la porque tu já não me sacias.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Falência

Sabemos que estamos a ficar sem um chavo, quando vamos tomar café com as moedas contadinhas, e ai de nós se perdemos uma no caminho: já não há café.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Rita Guerra

Prometi à minha filhota e cumpri: fui com ela ver um concerto da Rita Guerra. Curiosamente gostei! A gaja é um animal de palco e as músicas, apesar de serem todas a atirar para o romântico - o que não é a minha praia - até são giras, com bons arranjos e a voz dela é de facto um estrondo. Depois tem uma banda "bué da Fishe" como diria a filhota com um baixista que é uma moca. E a puta da gaja - com mais dois anos que eu e toda boa. Daqui a dois anos vou ser como ela. Noite catita e light...

DO DINHEIRO...

Ou da falta dele. Não ter dinheiro é a maior falta de liberdade dos nossos dias.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

AINDA AS CRIAS

Escrevi o post abaixo porque faz mais sentido escrever agora este.
E este é só um desabafo.
A minha princesa magoou-me ontem de uma forma que eu nunca pensei ser possível alguém magoar.
e apenas porque fez uma escolha baseada em maus princípios contrários aos que eu sempre lhe ensinei.
E eu chorei, chorei, até ficar rouca de chorar por dentro! E pensei ela só tem nove anos e conseguiu fazer-me sofre assim, como será o futuro? como será a adolescência?
E o meu menino que sempre que me vê triste me vem fazer uma festa e dizer "tás tiste? o bebé tá aqui" será que um dia me vai magoar também assim?
Ela sentiu como eu fiquei apesar de eu ter chorado às escondidas e à noite, antes de dormir, beijou-me e disse "Desculpa mãe eu sei que fui muito má para ti. Amo-te!"
Mas a dor ficou cá e dói muito!
E só agora entendi o quantas vezes eu fiz sofrer os meus pais e o quanto esse sofrimento lhes deve ter arrancado pedaços do coração.
Agora que já não estão cá, se de alguma forma me podem ver ou ouvir, perdoem-me.

AS MINHA CRIAS

Eu tenho dois filhos - um bebé de 2 anos e uma menina com 9.
São fruto de duas relações diferentes, muito desejados pelos pais mas, para mim que nunca quis ter filhos, nunca fizeram parte dos meus planos.
Ambos foram obra de descuido, interacções medicamentosas e esquecimentos. Ou melhor ambos foram fruto de um desejo desenfreado e potenciado por certos factos que me fizeram esquecer todas as precauções.
Após confirmado o facto equacionei - e não deixei ninguém interferir na minha decisão, nem sequer os pais que já pulavam de alegria - se iria para a frente com a gravidez ou não. Mas, e embora não seja contra o aborto, fui incapaz de o fazer, porque de alguma forma já os sentia, já estava ligada a eles.
Como se tivesse sido um castigo por não a querer ter logo, a minha filha levou três dias a nascer. Parto induzido, muito sofrimento, dores que eu pensei que em tempo algum iria suportar e, por fim já quase sem forças pu-la cá fora e senti aquela coisa minúscula cheia de vida em cima de mim e senti-me ligada a ela para sempre. Amei-a desde o primeiro momento com um amor incondicional uma amor que é bom mas que ao mesmo tempo me faz sofrer só de imaginar que algo lhe possa acontecer. È a minha Princesa!
Sete anos depois veio o meu filho, exactamente da mesma forma - tudo se repete - passei a gravidez com medo de não o conseguir amar porque o amor que eu sentia pela irmã era tão forte tão diferente de todos os amores que já me haviam sido mostrados, que eu achava impossível voltar a amar assim. Com ele o castigo não foi tão duro, foram só 18 horas, sempre com dores lancinantes, muito mais fortes do que as que havia sentido com a irmã mas por muito menos tempo.
E, quando ele nasceu, lá voltei a sentir aquele amor avassalador, incondicional. Lembro-me que na sua primeira hora de vida ele tocava com os seus dedinhos os meus, e tocava na minha mão e queria parecer conhecer-me através do toque. Ainda agora ele adormece a fazer-me festas nas mãos na cara, sempre a tocar-me.
São lindos os dois, amo-os mais do que tudo e todos na vida. Mas não são amores iguais e, por favor, não me venham dizer que os pais amam os filhos de igual forma porque é mentira.
A minha menina é especial!!!!
Há qualquer coisa que nos liga de uma forma que eu não sei explicar, um elo inquebrável que não tenho com o irmão apesar de também o amar. Digamos que se ficasse agora sem ele provavelmente o sofrimento seria tanto que eu acabaria com a minha vida. Mas, se ficasse sem ela enlouqueceria no mesmo momento e nem a morte eu conseguiria procurar.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Do sexo...

Nos vários blogues que sigo, tenho lido ultimamente alguns posts que versam este assunto. Quase todos se interrogam o porquê de haver muito pouco material sobre o assunto ou, quando há, é sempre muito superficial. Não querendo ser a dona da verdade eu penso que sei porque é que se escreve tão pouco sobre o assunto - As pessoas têm medo de ser julgadas, mesmo por trás do anonimato que, salvo raras excepções, o blog nos dá as pessoas têm medo do que os outros pensam. Principalmente as autoras femininas.: "ai se eu disser isto ou aquilo vão pensar que sou uma cabra; ai e o que eu fiz naquelas férias com aquele desconhecido? Vão chamar-me puta. É por isso que se fala tão pouco de sexo, esse assunto que, incrivelmente, nos nossos dias é ainda tabu. Para mim o sexo é natural , não tem que estar relacionado com amor e, ao contrário daquilo que fica bem dizer, nem sempre é melhor quando se ama. O sexo para mim tem poucos segredos, já fiz um pouco de tudo e não tenho vergonha de o dizer, já tive prazer das mais diversas formas e com as mais variadas pessoas. Já fiz sexo com pessoas que amei profundamente, mas também já o fiz com pessoas que apenas me atraiam fisicamente. Já tive orgasmos fantásticos e já tive "orgasmozinhos". Já tive meses sem sexo e outras alturas em que o fazia diariamente mais do que uma vez , desenfreadamente. E não me venham dizer que se não amamos a pessoa com quem fazemos sexo então não é bom... Que hipocrisia!!!! Podia contar neste blog episódios sexuais que já se passaram comigo que provavelmente fariam corar até os menos puritanos. Mas também podia contar outros que foram tão delicados tão normais e, mesmo assim tão bons. Não conto porque lá está, seria conotada como "esta" ou "aquela". Quem por cá passasse diria "deixa cá espreitar o blog da puta" quem me conhecesse diria "como foste capaz". Mas não conto principalmente porque são episódios tão íntimos tão especiais que quero ter o prazer de os guardar para mim.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mulher de Hábitos

Perguntaste-me se eu sou uma mulher de hábitos?
Sim sou:
Tenho o hábito de me deitar quando me apetece, mesmo que tenha que me levantar de madrugada; tenho o hábito de nunca ir pela mesma rua da estação ao trabalho; tenho o hábito de não fumar sempre a mesma marca de cigarros; tenho o hábito de não ir sempre ao mesmo restaurante nem ao mesmo bar (que seca!); tenho também o hábito de não me dar só com pessoas do mesmo género.
Sim porque não? Sou uma mulher de hábitos.